Domingo, 26 de Outubro de 2008
(Se não leu esta história desde o início, veja aqui a primeira parte)

 

 

 

Comecei a recapitular tudo o que tinha passado na noite passada dentro da minha cabeça. Haviam demasiados pontos com nevoeiro. Mas lembrava-me vagamente da noite. Lembrava-me do jantar, do bife demasiadamente mal passado que não consegui comer. Lembrava-me da sobremesa divinal que comi a seguir. Doce da casa. Esse doce mítico que, como o nome indica, muda de casa para casa. Agora da mulher que agbbw2_by_christphotoora me servia um pequeno almoço na cama, nem uma única memoria.

 

Bom, tens de alimentar-te depois desta noite. Onde aprendeste a fazer aquelas coisas? Deves ter tido uma professora fabulosa - dizia ela enquanto me piscava o olho e me lençava sorrisos matreiros.

 

Era uma mulher bonita. Atraente sem ser uma modelo de passerelle. Os cabelo ainda molhados do banho pendiam-lhe pelos ombros tapados apenas por um robe fino. Através do tecido, vislumbrava-se todo o seu corpo em contraluz. Era uma mulher com um sorriso e olhar meigo e parecia claramente estar a tentar parecer mais à vontade do que de facto estava. Tinha formas generosas, e a sua azáfama a montar o aparato do pequeno almoço deixava desnudados os seu seios fartos e cheios, meio pendentes. Era uma mulher real. Sem ser daquelas das publicidades de lingerie. Daquelas que aprecem feitas de cera e dignas de estar num museu para todos vislumbrarem. Apenas uma mulher. Meiga e doce.

 

As suas formas eram de uma sensualida que não conseguia entender perfeitamente e, no entanto, excitavam-me muito. O seu estômago saliente, mostrava uma forma um pouco descuidada. Ou simplesmente uma normalidade de quem se está positivamente borrifando para as normas e padrões. O seu olhar, os seus labios, os cabelos aloirados (e sim, eram loiros mesmo, a julgar pelo resto dos cabelos mais íntimos e que compunham toda a composição), os seu ombros de aspecto macio, o seu peito grande e as suas ancas arredondadas pareciam-me simplesmente perfeitas.

 

Olha - disse eu com voz rouca - quero-te pedir desculpa. Ela parou e ficou a olhar-me, esperando para ver o que me ia sair da boca. Eu não faço ideia de onde estou - disse com vergonha e olhando para o chão. Ergui os olhos para encontrar a expressão de maior desilusão que alguma vez vi. Era o olhar de uma criança à qual prometemos durante um ano irmos à EuroDisney e cancelarmos no dia anterior à viagem.

Suponho que te queiras ir embora agora, isto foi um erro, eu calculei logo que era bom demais para ser verdade - disse-me com uma mistura de desapontamento e raiva nos olhos.

Não, vamos tomar o pequeno almoço, sim?

Achas que isto é uma pastelaria? - disse agora mais agressiva.

Não foi isso que quis dizer. Tiveste este trabalho todo, não seria correcto agora recusar - disse eu tentando não dizer as coisas erradas.

Ah! Agora queres ficar por pena? Não preciso da tua caridade! - afirmou com os olhos a ficarem marejados.

Eh pá! Queres parar? Vamos lá começar de novo. Olá, eu sou o Rui - disse-lhe, estendendo a minha mão em sinal de tréguas.

Ana... muito prazer...

 

(continua no próximo post)


publicado por Anonimo às 02:44 | link do post | comentar

mais sobre mim
posts recentes

A janelinha

Uma experiência para não ...

Uma experiência para não ...

Uma experiência para não ...

Uma experiência para não ...

...

Sonho de colega do escrit...

Insonia...

tags

acordar

amor

anal

encontros

historias de sexo

intensidade

masturbação

noitada

paixão

pequeno-almoço

relações

sexo

sexo no escritório

upskirt

voyer

todas as tags

arquivos

Outubro 2008

Outubro 2007

links
subscrever feeds